CORA CORALINA


Pseudônimo da poeta goiana Ana Lins dos Guimarães Peixoto Bretas (9/1889-10/4/1985). Longe das grandes cidades e dos modismos literários, é responsável por uma obra poética rica em motivos autênticos do cotidiano do interior do Brasil. Nasce na cidade de Goiás. De família humilde, recebe apenas instrução primária, mas desde a infância mostra inclinação para a leitura e para a escrita, o que não é bem-visto pela família. Doceira de profissão, em 1911 casa-se com um advogado paulista. O escândalo causado pelo fato de ele ser separado faz com que o casal se mude para Jaboticabal, interior de São Paulo. Mãe de quatro filhos, Cora escreve suas poesias em cadernos que ficam guardados em casa até que, aos 77 anos, publica o primeiro livro, Poemas dos Becos de Goiás e Estórias Mais. Onze anos depois compõe Meu Livro de Cordel. Em sua poesia se misturam a natureza, as pessoas do povo, as histórias da família e a religião, resultando em versos de imagens e ritmo fortes. Em 1983 lança Vintém de Cobre–Meias Confissões de Aninha, recebendo em seguida o Prêmio Juca Pato, da União Brasileira de Escritores. Morre em Goiânia.
publicado por LUCIANO às 10:54