JÂNIO QUADROS

Político mato-grossense. Presidente da República por sete meses, em 1961, renuncia ao mandato. Jânio da Silva Quadros (25/1/1917 - 16/2/1992) nasce em Campo Grande, atual capital de Mato Grosso do Sul, filho de paranaenses de classe média. Estuda em Curitiba e em São Paulo, para onde se muda nos anos 30. Forma-se em direito em 1939 e trabalha como advogado na capital paulista antes de entrar para a vida pública. Elege-se vereador em 1947, deputado estadual em 1950, prefeito de São Paulo em 1953 e governador em 1954. Orador carismático, faz sucesso entre os eleitores com sua pregação sobre a moralidade administrativa. Considerado por muitos como populista, nas campanhas eleitorais aparece comendo sanduíches em botequins. Em sua primeira disputa pela prefeitura paulistana, conquista grande popularidade ao usar uma vassoura como símbolo da limpeza que pretende fazer nos órgãos públicos. "Varrer a corrupção" é o tema principal de sua campanha à Presidência da República. Eleito com 48% dos votos, resultado até então recorde no Brasil, toma posse em janeiro de 1961. Renuncia sete meses depois, alegando sofrer pressão de "forças terríveis". Entre os historiadores, a análise mais aceita é a de que Jânio queria governar com maior autonomia e poderes em relação ao Congresso. Sob essa ótica, o ato da renúncia teria sido apenas uma manobra estratégica. Apostava que ela não seria aceita pela população, que o prezava, nem pelos conservadores, que temiam a posse do vice, João Goulart, considerado muito à esquerda. Portanto, voltaria mais forte. Seu breve governo é ambíguo, caracterizado por uma política interna conservadora, de combate à inflação, e por ações externas progressistas, de aproximação com os países socialistas e de defesa aberta de Cuba em seu confronto com os Estados Unidos. Em 1964 tem seus direitos políticos cassados pelo Regime Militar. Retoma a vida pública no fim dos anos 70. Em 1982 perde a disputa pelo governo paulista, mas consegue sua última vitória política em 1985, ao eleger-se prefeito da capital. Morre em São Paulo.



publicado por LUCIANO às 12:23