LEON HIRSZMAN

Cineasta fluminense. Um dos criadores do cinema novo, é considerado um dos mais importantes nomes do cinema brasileiro contemporâneo. Leon Hirszman (22/11/1937-16/9/1987) nasce no Rio de Janeiro. Filho de judeus poloneses fugidos do nazismo, tem sua trajetória profissional influenciada pelo pai, marxista. Na década de 50 funda o Museu de Arte Cinematográfica e da Federal de Cineclubes do Rio de Janeiro. Integrado ao Teatro de Arena de São Paulo, participa da criação do cinema novo desde seu início, nos anos 60. Nessa época trabalha como assistente de produção, continuísta e, em seguida, como produtor de filmes, entre eles Todas as Mulheres do Mundo (1967), de Domingos de Oliveira. Como documentarista, faz Maioria Absoluta (1964) e Nelson Cavaquinho (1968). A preocupação social e política de Hirszman aparece em sua estréia na direção, com o episódio Pedreira de São Diogo de Cinco Vezes Favela (1961). Ainda em 1961 filma A Falecida, peça de Nélson Rodrigues. Três anos depois roda Garota de Ipanema, um retrato da sociedade carioca da época, e, em 1971, São Bernardo, inspirado no romance de Graciliano Ramos. Em 1980 dirige ABC da Greve, produção coletiva sobre as primeiras paralisações de metalúrgicos do ABC paulista, finalizada somente após sua morte. Seu trabalho mais célebre é Eles Não Usam Black-Tie (1981), premiado com o Leão de Ouro no Festival de Veneza. Entre 1983 e 1985 filma Imagens do Inconsciente, trilogia em 16 milímetros em que capta a realidade de esquizofrênicos da Seção de Terapia Ocupacional do Centro Psiquiátrico Pedro II, no Rio de Janeiro. Morre no Rio em decorrência da Aids.



publicado por LUCIANO às 19:23