CELSO FURTADO

Economista paraibano. Criador da Sudene, membro da Academia Brasileira de Letras, é um dos mais influentes pensadores brasileiros. Celso Monteiro Furtado (26/7/1920-) nasce em Pombal e forma-se em direito no Rio de Janeiro em 1944. Durante a II Guerra Mundial integra a Força Expedicionária Brasileira (FEB) e luta na Itália. Forma-se em economia e doutora-se na França (1948). Em 1949, passa a integrar a Comissão Econômica para a América Latina (Cepal, órgão da ONU) e preside o Grupo Misto de Estudos BNDE-Cepal (1953-1957), cujo trabalho embasou o Plano de Metas de Juscelino Kubitschek. Em 1958, integra a diretoria do Banco Nacional para o Desenvolvimento Econômico, propõe a criação da Superintendência para o Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) e torna-se seu primeiro superintendente. Ministro extraordinário do Planejamento no governo João Goulart, elabora o Plano Trienal, que propõe as reformas de base. Após o golpe de 1964, tem os direitos políticos cassados e exila-se. É professor nas universidades de Cambridge (Inglaterra), Sorbonne (França) e Washington (EUA). Volta ao Brasil em 1974 e é nomeado ministro da Cultura do governo José Sarney. Sua obra inclui cerca de 20 livros de análise de questões e problemas do desenvolvimento econômico no Brasil. Defende a industrialização do país, a diversificação de sua estrutura produtiva, medidas que melhorem a distribuição de renda, reforma agrária, reorganização administrativa e fiscal. É autor do livro Formação Econômica do Brasil (1959, considerado um clássico), O Brasil Pós-Milagre (1981), A Fantasia Desfeita (memórias, 1989), entre outros. Em 1997, é eleito membro da Academia Brasileira de Letras. No mesmo ano é organizado em Paris, pela Maison des Sciences de l'Homme e pela UNESCO, o congresso internacional "A contribuição de Celso Furtado para os estudos do desenvolvimento", reunindo especialistas do Brasil, dos Estados Unidos, da França, da Itália, do México, da Polônia e da Suíça. No mesmo ano é criado pela Academia de Ciências do Terceiro Mundo, com sede em Trieste, na Itália, o Prêmio Internacional Celso Furtado, conferido a cada dois anos ao melhor trabalho de um cientista do Terceiro Mundo no campo da economia política. É doutor honoris causa pelas universidades Técnica de Lisboa, Estadual de Campinas (Unicamp), Federal de Brasília, Federal do Rio Grande do Sul, Federal da Paraíba e pela Université Pierre Mendès-France, de Grenoble, França. Em 2000 a Galeria Manuel Bandeira, no Rio de Janeiro, é sede da exposição Celso Furtado: Vocação Brasil, que apresenta uma síntese de sua produção intelectual em 32 livros, com 53 traduções, um painel fotográfico, diários e documentos. Em 2002 lança Em Busca de Novo Modelo - Reflexões sobre a Crise Contemporânea. Furtado sofre de artrose e vive com a mulher, a jornalista Rosa Freire d’Aguiar, em Copacabana, Rio de Janeiro.



publicado por LUCIANO às 20:31