Zizinho

Pelé teve um ídolo no futebol. Quando estava iniciando a carreira, o Rei viu jogar no São Paulo um craque chamado Zizinho. Ele foi um dos mais refinados jogadores do futebol em todos os tempos. Na Copa de 1950, teve uma atuação que muitos juram ser a melhor de um atleta pela Seleção. Foi na vitória de 2 x 0 sobre a Iugoslávia, em que ele acertou todos os passes e ainda fez um dos gols. Zizinho (14/9/1922-8/2/2002) nasce em São Gonçalo, Rio de Janeiro. Aos 18 anos, seu sonho era jogar no América, mas o físico franzino não convence ninguém na comissão técnica do clube. Desiludido, procura o Flamengo. O teste aconteceria num treino com os titulares do time e logo no início Leônidas da Silva se machuca. O técnico Flávio Costa chama Zizinho para o lugar de Leônidas. Após o desempenho, o treinador se aproxima dele e diz: "Corte o cabelo e volte amanhã". No Flamengo, foi o condutor do tricampeonato de 1942/43/44. Só sai do clube dez anos depois. De 1949 para 1950, reconhecido como o maior craque do país, soube que seu passe tinha sido vendido ao Bangu por uma fortuna. Um dirigente banguense, Guilherme da Silveira, confirmou a venda a Zizinho, que imediatamente assinou o contrato sem ler: "Se o senhor pagou tanto pelo meu passe é porque reconhece meu futebol". No primeiro jogo contra o Flamengo, o clube sentiu o tamanho de sua mágoa. O Bangu de Zizinho fez 6 x 0. Sete anos depois, Zizinho fica duas temporadas no São Paulo. Em 1961, contratado como técnico do Audax Italiano, do Chile, os dirigentes pedem que ele jogue uma partida. Zizinho, parado havia três anos, joga toda a temporada. Era o adeus do Mestre.

tags:
publicado por LUCIANO às 13:29