Regina Duarte


Atriz paulista. Uma das mais destacadas intérpretes da televisão brasileira a partir da década de 70. Regina Blois Duarte (5/2/1947-) nasce em Franca e passa a infância e a adolescência em Campinas. Aos 14 anos, influenciada por um professor de balé, que considera seu rosto fotogênico, faz as primeiras fotos como modelo. Começa a participar de teatro amador. Em 1966, aos 18 anos, muda-se para São Paulo. Pouco depois, é descoberta pelo diretor Walter Avancini, que a convida para atuar na novela A Deusa Vencida, da extinta TV Excelsior. Chega à Globo, em 1969, com nove novelas no currículo. Em Minha Doce Namorada (1971/1972), contracena com Cláudio Marzo e passa a ser chamada de "a namoradinha do Brasil". Em seguida, atua em Selva de Pedra, um marco em sua trajetória na TV. Na década de 70, engravida pela primeira vez e resolve também dar uma virada na carreira: vai para o teatro incorporar uma prostituta suicida na peça Réveillon, de Flávio Márcio. Em 1979, começa a atuar em seu papel de maior repercussão, a protagonista do seriado Malu Mulher, uma mulher independente que conquista o público com suas angústias e realizações. Por dois anos, revoluciona a TV com a discussão aberta de vários temas no programa. Na seqüência, dá vida à cafona Viúva Porcina na novela Roque Santeiro. Em 1992, realiza uma turnê com a peça A Vida É Sonho, dirigida por Gabriel Villela. No final dos anos 90, contracena com a filha, Gabriela Duarte, na novela Por Amor e na minissérie Chiquinha Gonzaga, em que interpreta a compositora protagonista. As duas também atuam juntas na peça Honra, em cartaz em São Paulo, em 2000. Regina tem três filhos. Em 2002, sua participação na campanha do candidado à sucessão presidencial José Serra causa polêmica na opinião pública. A empresa de telefonia Telemar ameaça suspender um contrato de publicidade com a atriz, mas volta atrás. Em 2003, produz a peça Pedro e Vanda, protagonizada por sua filha.



publicado por LUCIANO às 17:18