FRANZ BECKENBAUER


O talento e a liderança de Beckenbauer dentro e fora do campo são responsáveis pela melhor fase da Alemanha no futebol mundial de todos os tempos. Em plenos escombros de um país destruído pela II Guerra Mundial nasce um homem que faria história, ajudaria a recuperar a auto-estima do povo e, de quebra, ainda seria proclamado Kaiser (imperador, em alemão).Franz Beckenbauer (11/9/45-) nasce em Munique, Alemanha. Seu pai não queria que jogasse futebol com o único par de sapatos que tinha. Essa guerra o pai Beckenbauer gostou de perder. Aos 14 anos, o pequeno Franz começa no Bayern. Aos 19 já é titular do time profissional, aos 20 vai para a seleção e aos 21 já é um dos melhores da Copa do Mundo de 1966. Em 1970, marca a história do futebol jogando uma semifinal de Copa e a prorrogação com um braço imobilizado devido a uma luxação na clavícula. Melhor jogador alemão de todos os tempos, é eleito o melhor da Europa em 1972 e 1976. Beckenbauer joga com Pelé no Cosmos de Nova York (1977 a 1980). Foi uma das poucas vezes em que o Rei perdeu alguma eleição. O melhor jogador da temporada americana de 1977 é Franz Beckenbauer. Antes da aventura americana, o Kaiser havia mudado o destino do Bayern. Até ele se profissionalizar, o time de Munique é inexpressivo na Alemanha. Com o craque, o clube se torna uma máquina de títulos. Foi também a oportunidade de mostrar mais uma virtude: a de hábil homem de negócios. Recebe desde 1970 o maior salário do futebol alemão e, de 1974 a 1977, foi provavelmente o maior vencimento da Europa. Beckenbauer não se destaca apenas pelo futebol vigoroso, a habilidade ímpar para o desarme sem faltas, a saída de jogo com passes precisos, curtos ou longos. Chuta forte de longa distância e impressiona também pelo porte, a cabeça erguida e as largas passadas. Seu talento é tão vistoso que, antes de ser o Kaiser, a imprensa o chamava de Brasileiro da Baviera. Líder natural, capitão do Bayern desde os 22 anos e da Seleção por dez anos, era influente também fora de campo e discutia tanto a escalação quanto o esquema tático com Helmut Schoen, seu técnico no clube e na Seleção. Esse poder fica escancarado quando ele impõe a escalação de Overath no time alemão que vence a Copa de 1974, no lugar de Netzer, acusado de mercenário. Por 11 anos consecutivos Beckenbauer fica entre os sete primeiros na eleição da Bola de Ouro européia. Depois do sucesso dentro de campo, Beckenbauer decide provar seu talento também do lado de fora. Tenta a carreira de técnico, assumindo a Seleção Alemã, e já na primeira Copa, a de 1986, chega ao vice-campeonato. Em 1990, consegue tornar-se o primeiro europeu a ser campeão do mundo como jogador e técnico. Deixa a seleção para voltar ao querido Bayern, primeiro como técnico, depois como diretor e por fim como presidente. A elegância e a liderança dos gramados adaptaram-se bem em ternos bem cortados e gravatas sóbrias. Atualmente, Beckenbauer lidera o comitê de organização da Copa do Mundo de 2006, que será realizada na Alemanha.
publicado por LUCIANO às 11:23