mais sobre mim

subscrever feeds

tags

todas as tags

Visitas Hoje

Quinta-feira, 14 DE Fevereiro DE 2008

Norman Mailer

Escritor e jornalista norte-americano (31/1/1923-). Desenvolve um estilo que combina reportagem jornalística com narrativa literária. Norman Kingsley Mailer nasce em Long Branch, Nova Jersey, e é educado no Brooklyn, em Nova York. Forma-se em engenharia aeronáutica na Universidade de Harvard em 1943. Inscrito nas Forças Armadas, luta durante o ano de 1944 na II Guerra Mundial (1939-1945) com as forças que controlam o oceano Pacífico. Da experiência resulta seu primeiro romance e best-seller, Os Nus e os Mortos (1948), escrito aos 25 anos e recebido como um dos melhores textos produzidos com base no conflito mundial. O escritor faz mais sucesso com livros jornalísticos do que com os de ficção. Ganha duas vezes o Prêmio Pulitzer com as obras de não-ficção The Armies of the Night, de 1968, sobre as manifestações pela paz de outubro de 1967 nos Estados Unidos (EUA), da qual o autor participa e é preso, e A Canção do Verdugo, de 1979, baseada na vida do criminoso Gary Gilmore, condenado à morte. Mailer é o fundador do jornal nova-iorquino Village Voice, que começa a circular em 1955. Desenvolve também uma obra ensaística que se inicia com a publicação de O Negro Branco, de 1957. Entre seus trabalhos mais recentes, estão Os Machões Não Dançam, de 1984, e A Luta, de 1998, um relato do histórico combate entre Muhammad Ali e George Foreman, no Zaire, em 1974. Em julho de 2000 realiza o velho sonho de ser cartunista. O jornal New York Observer publica uma página inteira com seus cartuns, alguns dos quais trazem personagens nus. Em 2002 atua em leituras de textos teatrais na Inglaterra e nos Estados Unidos. Em 2003, lança The Spooky Art: Some Thoughts About Writing, reunindo suas observações sobre o trabalho do escritor.


publicado por LUCIANO às 19:44
Quinta-feira, 14 DE Fevereiro DE 2008

Octavio Frias de Oliveira


Empresário paulista. Proprietário do grupo Folha de Comunicações, responsável pela publicação do jornal Folha de S.Paulo, entre outros. Octavio Frias de Oliveira (5/8/1912-) nasce no Rio de Janeiro, filho de juiz de Direito. Até os 15 anos estuda no Colégio São Luís, de padres jesuítas, em São Paulo. É obrigado a deixar a escola particular por causa das dificuldades financeiras da família e começa a trabalhar como office-boy na Companhia de Gás de São Paulo. Treze anos depois, chega a diretor do Departamento Estadual do Serviço Público. Entre as décadas de 40 e 50, cria uma empresa para vender ações diretamente ao público, a Transaco - Transações Comerciais, negócio novo para a época. Para treinar seus vendedores -- uma equipe que chega a reunir 500 pessoas -- traduz o best-seller norte-americano Do Fracasso ao Sucesso na Arte de Vender, de Frank Bettger, e o divulga entre os funcionários. Em 1954, compra um pequeno sítio perto de São José dos Campos, no interior de São Paulo, para lazer familiar, que acaba transformando em um empreendimento avícola com plantel de 2 milhões de aves. Em sociedade com o empresário Carlos Caldeira Filho, constrói a Estação Rodoviária de São Paulo, em 1961, e compra o jornal Folha de S.Paulo em 1962. Contrata o jornalista Cláudio Abramo, responsável pela modernização de O Estado de S. Paulo, para chefiar a reportagem. O jornal apóia o golpe e o regime militar até 1973. Adota, em seguida, uma linha independente e abre suas páginas à expressão das várias tendências de opinião. A partir da década de 80, Octávio Frias transfere aos filhos o comando dos negócios, mas continua como acionista controlador do Grupo Folha. Passa a Octávio Frias Filho o cargo de diretor de Redação do jornal Folha de S. Paulo e a Luís Frias a presidência da Empresa Folha da Manhã e do Grupo que, além dos jornais e da agência de notícias, também inclui um instituto de pesquisa de opinião, uma gráfica e uma transportadora e, desde 1996, o provedor de acesso à internet Universo Online (UOL). Em 2002 recebe o título de professor hororis causa das Faculdades Integradas Alcântara Machado e passa a dirigir sua recém-inaugurada cátedra de jornalismo.


publicado por LUCIANO às 19:41
Quinta-feira, 14 DE Fevereiro DE 2008

Octavio Paz


Poeta e ensaísta mexicano (31/3/1914-20/4/1998). Prêmio Nobel de Literatura de 1990, é considerado um dos maiores intelectuais latino-americanos. Filho de pai mexicano, que foi advogado e amigo do líder revolucionário Emiliano Zapata, e mãe espanhola, nasce na Cidade do México e na juventude torna-se grande leitor da poesia moderna, de T.S. Eliot a García Lorca. Publica o primeiro livro de poemas em 1933, Luna Silvestre. Visita a Espanha em 1937, durante a Guerra Civil Espanhola (1936-1939), e identifica-se com a causa dos republicanos contra o general Franco. Em 1945 entra para o serviço diplomático e vai para Paris, onde conhece André Breton e o movimento surrealista. É embaixador na Suíça, no Japão e na Índia. Entre seus poemas destacam-se Piedra del Sol (1957) e Blanco (Transblanco, na tradução feita por Haroldo de Campos). Como ensaísta é comprometido com a reforma social. Seu ensaio mais famoso é O Labirinto da Solidão (1950). Em 1994 lança Dupla Chama, ensaio sobre o amor e o erotismo.



publicado por LUCIANO às 19:39
Quinta-feira, 14 DE Fevereiro DE 2008

Oduvaldo Vianna Filho

Ator e dramaturgo fluminense. Autor de peças políticas de crítica à sociedade de consumo e à realidade brasileira.Oduvaldo Vianna Filho (4/6/1936-16/7/1974) nasce na cidade do Rio de Janeiro, filho do também dramaturgo, radialista e cineasta Oduvaldo Vianna. Muda-se para São Paulo para estudar arquitetura na década de 50, mas abandona a faculdade para dedicar-se ao teatro. Em 1956 organiza um curso de teatro em parceria com Gianfrancesco Guarnieri. No ano seguinte faz o Seminário de Dramaturgia junto com Augusto Boal e escreve sua primeira peça, Chapetuba F.C. Participa da criação do Teatro de Arena, em São Paulo, e do Teatro do Grupo Opinião, no Rio de Janeiro. É ainda um dos fundadores do Centro Popular de Cultura da União Nacional dos Estudantes. Volta para o Rio de Janeiro em 1960 e escreve Quatro Quadras de Terra (1963) e Se Ficar o Bicho Pega, Se Correr o Bicho Come (1966) - esta última em parceria com Ferreira Gullar, considerada a melhor peça do ano e ganhadora do Prêmio Molière. Outros êxitos são Longa Noite de Cristal (1969) e Corpo a Corpo (1971). Por causa do conteúdo político, muitas de suas peças são proibidas pela censura do regime militar de 1964. É o caso de Rasga Coração (1974), última peça que escreve, premiada pelo Serviço Nacional de Teatro na ocasião, mas proibida de ser encenada. Morre no Rio de Janeiro.



publicado por LUCIANO às 19:36
Quinta-feira, 14 DE Fevereiro DE 2008

Olavo Bilac

Poeta fluminense. Principal escritor parnasiano brasileiro. Olavo Brás Martins dos Guimarães Bilac (16/12/1865 - 28/12/1918) nasce no Rio de Janeiro. Inicia o curso de medicina e o de direito, mas abandona-os antes de se formar. Começa a trabalhar na imprensa carioca, na qual defende a abolição da escravatura, os ideais republicanos e, mais tarde, o serviço militar obrigatório. Estréia na literatura em 1888, com o livro Poesias. Autor marcado pelo extremo rigor na linguagem e na forma, seus sonetos são compostos em versos decassílabos perfeitos. Os temas mais constantes são a beleza feminina e os momentos épicos da história nacional. Uma de suas obras mais expressivas é o livro de sonetos Via Láctea. Escreve também Poesias Infantis (1904), Crítica e Fantasia (1906), Conferências Literárias (1906), Ironia e Piedade (1916) e um Dicionário de Rimas (1913). Como jornalista, faz oposição ao governo Floriano Peixoto, é perseguido e chega a ser preso. Solto, esconde-se durante algum tempo em Minas Gerais, onde escreve Crônicas e Novelas (1893). Em 1898 é nomeado inspetor do ensino público do Rio de Janeiro. Reconhecido como grande poeta, torna-se secretário da Conferência Pan-Americana do Rio de Janeiro, em 1906, e também em Buenos Aires, em 1910. Atua como secretário do prefeito do Distrito Federal em 1907. Nacionalista, assume o papel de poeta cívico e faz uma grande campanha a favor do serviço militar obrigatório. Membro fundador da Academia Brasileira de Letras, morre no Rio de Janeiro.



publicado por LUCIANO às 19:33
Quinta-feira, 14 DE Fevereiro DE 2008

Olavo Setúbal

Banqueiro e político paulista. Fundador do segundo maior banco do país, o Itaú, e prefeito de São Paulo entre 1975 e 1978.Olavo Egydio Setúbal (16/4/1923-) nasce na cidade de São Paulo, filho do escritor Paulo Setúbal. Forma-se em engenharia em 1945 pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Começa a dar aula e, com o dinheiro que consegue economizar com essa atividade– 10 mil dólares —, monta com um amigo a indústria Deca, fabricante de torneiras e peças para fechaduras, que, depois de alguns anos, prospera. No fim da década de 50 é convidado pelo tio, Alfredo de Souza Aranha, para dirigir duas empresas que estavam em dificuldades financeiras: o Banco Federal de Crédito e a Ítalo Brasileira de Seguros Gerais. A fusão de ambas dá origem ao Banco Itaú, que, entre 1965 e 1975, cresce rapidamente e acaba incorporando outras companhias financeiras, entre elas o Banco Sulamericano, o Banco América e o Banco União Comercial. Em 1975, Olavo Setúbal ingressa na vida pública. Na ausência de eleições diretas, durante o regime militar, é indicado pelo então governador paulista Paulo Egydio Martins para o cargo de prefeito de São Paulo. Em 1985, é nomeado ministro das Relações Exteriores pelo presidente José Sarney. Um ano depois, decide ser candidato ao governo do estado de São Paulo, mas é derrotado numa convenção interna do Partido da Frente Liberal (PFL). Atualmente afastado da diretoria executiva do Itaú, preside o Itaúsa, holding que engloba mais de 50 empresas, entre elas a Itautec, a Philco e a Duratex. Casado, é pai de sete filhos.



publicado por LUCIANO às 19:30
Quinta-feira, 14 DE Fevereiro DE 2008

Olga Benário


Militante política alemã de origem judia. Primeira esposa do líder comunista brasileiro Luís Carlos Prestes, participa da organização da Intentona Comunista.Olga Benário Prestes (1908-4/1942) nasce em Munique, numa família burguesa – o pai era advogado, ligado ao Partido Social-Democrata. Ainda na infância começa a freqüentar grupos políticos de esquerda. Aos 15 anos entra para a Juventude Comunista, entidade ligada ao Partido Comunista, então na clandestinidade. Em 1925 vai para Berlim, onde dá continuidade a seu trabalho de militância. Algum tempo depois é eleita dirigente do núcleo político do bairro de Neukölln. Em 1928, após ajudar um dos líderes do partido a fugir da prisão, é procurada pela polícia alemã, que oferece recompensa em dinheiro por sua captura. Foragida, muda-se para Moscou e atua na Juventude Comunista Internacional. No início da década de 30 recebe formação militar e é destacada pelo alto comando soviético para ser a guarda-costas de Luís Carlos Prestes, que, depois de algum tempo na União Soviética, pretende voltar ao Brasil para organizar um levante comunista. No caminho, os dois se apaixonam e chegam ao Rio de Janeiro casados. Com o fracasso da Intentona, Olga Benário é presa em 1936 e, mesmo grávida, é extraditada pelo governo de Getúlio Vargas para a Alemanha nazista. Passa os últimos anos de vida ao lado da filha, Anita, no campo de concentração de Bernburg. É executada na câmara de gás.



publicado por LUCIANO às 19:27
Quinta-feira, 14 DE Fevereiro DE 2008

Oliveira Vianna


Historiador, sociólogo e jurista fluminense. É um dos primeiros pensadores a utilizar critérios sociológicos para explicar a história do Brasil. Francisco José de Oliveira Vianna (20/6/1883-28/3/1951) nasce em Saquarema e estuda em Niterói até o curso secundário. Forma-se em advocacia na Faculdade Livre de Direito do Rio de Janeiro, em 1906. Dá aula de história em escolas particulares e de direito judiciário penal na Faculdade de Direito do Estado do Rio de Janeiro. Publica seu primeiro ensaio sobre as populações do centro-sul brasileiro (mineiros, fluminenses e pau-listas), Populações Meridionais do Brasil, em 1920. Escreve no mesmo ano o livro O Idealismo na Constituição, em que questiona concepções básicas do liberalismo como o sufrágio universal e o princípio republicano da federação. Em 1932 publica Raça e Assimilação, uma de suas obras mais polêmicas, na qual defende a miscigenação da raça negra como forma de integração à sociedade. Entre 1932 e 1940 atua como consultor jurídico do Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio, recém-criado. É o responsável pela elaboração das leis de previdência social e pela criação do sistema sindical corporativista, baseado na organização dos trabalhadores por categorias profissionais, sob controle direto do Estado. No livro Problemas de Direito Corporativo (1938), resultante dessa experiência, resume o seu pensamento trabalhista. Como jurista, atua na comissão encarregada do anteprojeto de Constituição, apresentado à Assembléia Nacional Constituinte de 1933 - 1934, e participa da comissão de revisão das leis, criada pelo Ministério da Justiça, em 1939, sob a presidência de Afrânio de Melo Franco. Sua produção intelectual é coerente com suas teses políticas, contrárias ao modelo liberal e favorável a um Estado forte e intervencionista. Deixa uma obra importante para a compreensão do pensamento político do tenentismo dos anos 30, especialmente nos dois volumes sobre as Instituições Políticas Brasileiras, um de seus principais trabalhos. Morre em Niterói (RJ).



publicado por LUCIANO às 19:25
Quinta-feira, 14 DE Fevereiro DE 2008

Oliver Cromwell

Estadista inglês (25/4/1599-3/9/1658). Nasce em Huntingdon, filho de um proprietário rural, e recebe educação muito religiosa. Elege-se para o Parlamento em 1628, destacando-se pelos ataques à hierarquia da Igreja Anglicana. Em 1629, o rei Carlos I dissolve o Parlamento e implanta um governo absolutista que dura 11 anos. Quando estoura a primeira guerra civil entre as forças monárquicas e o Parlamento (1642-1646), Cromwell lidera a ala radical dos opositores do rei, sobressaindo como organizador militar. Em 1645 marcha sobre Londres para persuadir Carlos I a aceitar um governo regido pela Constituição. Não há acordo e uma nova guerra civil acontece, terminando com a execução do rei em 1649. A Inglaterra torna-se uma república e Cromwell, presidente do Conselho de Estado, braço executivo do Parlamento. Em 1653, um golpe de Estado dissolve o Parlamento e concentra os poderes nas mãos de Cromwell, que tem o título de Lord Protector. Na política externa, obtém vitórias militares que reforçam o poderio inglês. Internamente, adota medidas de abertura do comércio e fortalece o puritanismo, mas atua com tolerância religiosa, exemplificada pela readmissão dos judeus no Reino Unido. Morre em Londres e é enterrado na Abadia de Westminster. É sucedido pelo filho Richard, que governa até 1659. Depois da restauração da monarquia, em 1660, seus restos são transferidos para Tyburn, onde eram executados os criminosos.



publicado por LUCIANO às 19:20
Quinta-feira, 14 DE Fevereiro DE 2008

Orlando Villas Boas

Indigenista brasileiro (12/1/1914-12/12/2002), o mais velho dos irmãos Villas Boas, expedicionários que desbravaram o Centro-Oeste brasileiro nas décadas de 40 a 60. Nasce em Santa Cruz do Rio Pardo, interior de São Paulo, filho de um advogado e fazendeiro. Na adolescência, muda-se para a capital do estado. Com a prematura morte dos pais, interrompe os estudos no segundo grau para trabalhar. Com os irmãos Cláudio (1916-1998) e Leonardo (1918-1961), integra-se à expedição Roncador-Xingu, lançada em 1943 pelo então presidente Getúlio Vargas para explorar a região central do Brasil. De 1943 a 1960, cartografando terras e identificando pontos para a fundação de novas cidades, percorre mais de três mil quilômetros e contata 14 tribos indígenas como a dos xavantes, jurunas, kayabis, txucarramães e suyas. Preocupados com a preservação das civilizações nativas, os irmãos Villas Boas pedem ao governo a demarcação de uma reserva indígena e são atendidos pelo então presidente Jânio Quadros, que cria o Parque Nacional do Xingu em 1961. Orlando dirige o parque desde sua fundação até 1967, tomando parte nas negociações para a convivência pacífica das tribos ali instaladas, e preside a Funai por um curto período em 1985. Com o irmão Cláudio, escreve uma dezena livros e vários artigos para revistas – entre elas, a prestigiada National Geographic –, nos quais narra suas experiências com os índios. Uma de suas obras mais famosas é Marcha para o Oeste, com a história da expedição Roncador-Xingu, ganhador do Prêmio Jabuti 1995 de melhor livro-reportagem. Em 1997, Orlando lança o livro Almanaque do Sertão, em que narra seus 45 anos de andanças pelas matas brasileiras. Trabalha ainda como assessor para assuntos indígenas na Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo. Morre de falência múltipla dos órgãos em 12 de dezembro de 2002, em São Paulo.



publicado por LUCIANO às 13:28
Quinta-feira, 14 DE Fevereiro DE 2008

Orson Welles


Ator e diretor norte-americano. George Orson Welles (6/5/1915-10/10/1985), nascido em Kenosha, Wisconsin, abandona os estudos para viajar. Começa a trabalhar como ator na Irlanda e, de volta aos Estados Unidos (EUA), encena em teatros de todo o país. Em 1937 funda o Teatro Mercury e se destaca montando Shakespeare: um Macbeth com elenco de negros (1936) e um Júlio Cesar com figurinos de 1937. Em 1938, sua adaptação para o rádio do livro A Guerra dos Mundos, de H.G. Wells, sobre a invasão da Terra por extraterrestres, é tão realista que causa pânico nos EUA. Torna-se uma celebridade e Hollywood o contrata com carta branca. Aos 25 anos realiza Cidadão Kane (1941), estudo psicológico de tintas expressionistas sobre um magnata da imprensa. A obra, que influencia várias gerações de cineastas, recebe nove indicações ao Oscar, mas só ganha na categoria roteiro original. Em 1942, Welles vem ao Brasil filmar It´s All True, mas atrasos, estouros de orçamento e a morte de um ator durante a filmagem impedem que a fita seja terminada. De volta aos EUA, roda o policial A Dama de Shangai (1942), com a atriz Rita Hayworth, então sua mulher. O filme, porém, revela-se um fracasso de público. Dirige, entre outros, Soberba (1942), Macbeth (1948), Othelo (1952) – premiado em Cannes – e A Marca da Maldade (1958). O caráter inovador de seu cinema dificulta contratos com grandes estúdios e Welles acaba como ator de comerciais de TV e de filmes de outros diretores. Morre em Los Angeles.


publicado por LUCIANO às 13:25
Quinta-feira, 14 DE Fevereiro DE 2008

Osama bin Laden


Terrorista saudita, líder do grupo Al-Quaeda; responsabilizado, entre outras ações, pelos ataques aos Estados Unidos em 11 de setembro. Osama bin Laden nasce na Arábia Saudita, em 1957, numa das mais ricas família do país. Seu pai, o iemenita Mohammad bin Laden, é empresário da construção civil. Desde os primeiros anos escolares, o garoto Osama aproxima-se dos fundamentalistas islâmicos, que combatem os costumes e a influência ocidentais. Na Universidade de Jidá, conhece o professor Abdullah Azzam, ardoroso pregador do islamismo que abandona o trabalho para lutar com os afegãos contra a invasão soviética. Seguindo o professor, em 1979 Bin Laden integra-se à resistência dos guerrilheiros muçulmanos, os quais passa também a financiar. Corajoso, hábil estrategista e carismático, logo se torna um dos líderes da guerrilha. Após a derrota dos soviéticos, em 1989, volta o seu país e é recebido como herói. Passa a trabalhar nas empresas do pai, então já falecido. Em 1990, com a invasão do Kuweit pelo Iraque, Bin Laden propõe reorganizar as tropas afegãs para a defesa da Arábia Saudita. O rei Fahd, porém, prefere a defesa dos norte-americanos. Ofendido, Bin Laden começa a fazer oposição ao governo e acaba tendo de retirar-se do país. Rompe com a família, mas ainda é dono de uma fortuna estimada em 300 milhões de dólares. Depois de cinco anos no Sudão, estabelece-se no Afeganistão, onde estreita as relações com o Taliban – milícia que tomara o poder no vácuo deixado pelos soviéticos –, e forma a rede terrorista Al-Quaeda, composta de 3 mil integrantes espalhados em 40 países. São atribuídos ao Al-Quaeda os atentados contra as embaixadas norte-americanas no Quênia e na Tanzânia, em 1998, deixando mais de 200 mortos, e o ataque ao World Trade Center e ao Pentágono, nos Estados Unidos, em setembro de 2001. Caçado pelo exército americano em território afegão no fim de 2001, Bin Laden desaparece e não torna a ser visto publicamente. Em novembro de 2002, uma gravação de áudio produzida pela rede árabe de TV al-Jazeera é validada, por especialistas de vários países, como uma prova de que Bin Laden está vivo.

publicado por LUCIANO às 13:22
Quinta-feira, 14 DE Fevereiro DE 2008

Oscar Arias


Político costarriquenho (13/9/1941-). Presidente da Costa Rica, de 1986 a 1990, é responsável pelo acordo de paz entre os países da América Central. Nasce em Heredia. Estuda economia na Universidade da Costa Rica, pós-graduando-se na Universidade de Essex, na Inglaterra. Nos anos 60, começa a militar como socialista no Partido de Liberação Nacional (PLN) e, em 1972, é nomeado ministro do Planejamento pelo presidente José Figueres, posto em que se mantém até 1977. É eleito secretário-geral do PLN em 1979 e, em 1986, vence as eleições para a Presidência. Herdeiro de uma alta dívida externa, toma medidas para sanear a economia do país, promovendo os ajustes necessários à privatização de empresas governamentais. Na época, eclodem guerrilhas contra o governo em vários países da América Central. Arias expulsa os guerrilheiros anti-sandinistas (os "contra") da vizinha Nicarágua, que usam o território da Costa Rica para operações militares, e desmantela campos de treinamento. Em 1987 propõe um plano de paz para os países da América Central que engloba o cessar-fogo entre os governos e as forças rebeldes e a anistia para os presos políticos. Seus esforços resultam na assinatura de um acordo entre Guatemala, El Salvador, Honduras e Nicarágua, o que lhe vale o Prêmio Nobel da Paz de 1987. Em 1995, critica o Brasil por vender armas para o exterior. Em 1998, participa da elaboração do documento Agenda da Educação para o Ano 2000, a ser proposto aos governos latino-americanos, que determina um ensino básico de no mínimo 12 anos. Toma parte também em uma série de conferências do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) batizada de "Cátedra Século XXI", em novembro de 2000. Preside a Fundação Oscar Arias, entidade para a paz e o progresso humano na América Central.



publicado por LUCIANO às 13:20
Quinta-feira, 14 DE Fevereiro DE 2008

Oscar Niemeyer


Arquiteto fluminense. Considerado um dos mais importantes deste século, responsável por projetar os edifícios governamentais de Brasília. Oscar Niemeyer Soares Filho (15/12/1907-) nasce na cidade do Rio de Janeiro. Conclui o curso de arquitetura na Escola Nacional de Belas Artes, em 1934, e trabalha no escritório de Lúcio Costa de 1937 a 1943. Introduz no Brasil as técnicas arquitetônicas mais avançadas do século XX, inovando o uso de materiais e os critérios de utilização do espaço. No decorrer de 60 anos produz 600 projetos, 200 dos quais estão construídos em quatro continentes. Milita no Partido Comunista Brasileiro e torna-se amigo do líder comunista Luís Carlos Prestes a partir da década de 40. É militante histórico da causa comunista e autor, entre outros, do desenho do prédio da sede do Partido Comunista Francês, de 1966. Em São Paulo, é um dos responsáveis pelo conjunto de edifícios do Parque do Ibirapuera (1951). Sua principal obra é o núcleo fundamental de prédios que abriga o governo federal em Brasília, em que se destacam o Palácio do Alvorada, residência do presidente, e o Palácio do Planalto, sede do governo executivo, construídos entre 1956 e 1960. Em 1961, publica Minha Experiência em Brasília, traduzido para o italiano, o francês e o russo. Em 1989, projeta o Memorial da América Latina, na cidade de São Paulo, e, em 1996, o Museu de Arte Contemporânea de Niterói (RJ). Lança diversos outros livros relatando suas experiências como arquiteto, entre eles: "Como se faz arquitetura" (1986), "Meu sósia e eu" (1992), "Conversa de arquiteto" (1993), e "As curvas do tempo - Memórias" (2000). Uma de suas mais recentes obras é o Museu Oscar Niemeyer, em Curitiba, inaugurado em 2002.


publicado por LUCIANO às 13:17
Quinta-feira, 14 DE Fevereiro DE 2008

Oscar Schmidt

Jogador de basquete potiguar. Maior nome do basquete masculino nacional, maior cestinha do mundo, com mais de 46 mil pontos marcados. Oscar Daniel Bezerra Schmidt (16/2/1958-) nasce em Natal. Filho de um oficial da Marinha, vai para Brasília aos 13 anos, onde começa a jogar no clube Unidade Vizinhança. Em 1974, muda-se para São Paulo, treina no infantil do Palmeiras e em seguida chega à seleção juvenil. Em 1977, é eleito o melhor pivô sul-americano da categoria e convocado para a seleção principal de basquete, campeã sul-americana daquele ano e medalha de bronze no Mundial das Filipinas, em 1978. Transfere-se então para o Clube Sírio Libanês, no qual conquista, em 1979, um dos títulos mais importantes de sua carreira: a Copa William Jones, espécie de campeonato mundial interclubes. Participa de todas as Olimpíadas entre 1980 (Moscou) e 1996 (Atlanta). Não ganha nenhuma, mas termina como cestinha em três delas. Em Seul (1988) faz 338 pontos, 55 numa só partida, estabelecendo um recorde em jogos olímpicos. Atua por 11 anos na Itália, batendo dois recordes: 13.957 pontos na liga local e 66 numa só partida, jogando pelo Fernet Branca (Pavia). Tem passagem pelo Forum, de Valadolid (Espanha), e pelo Corinthians, de São Paulo, no qual obtém seu sétimo título nacional. Em 1997, torna-se secretário municipal de Esportes de São Paulo e em 1998 candidata-se ao Senado pelo Partido Popular Brasileiro (PPB), mas não consegue eleger-se. Em junho de 1999, fecha contrato de três anos com o Flamengo, do Rio de Janeiro. "Mão Santa", como é conhecido, é o recordista mundial de participação em Olimpíadas, tendo jogado em cinco competições. Detém ainda o recorde olímpico de pontos: 1.092. Foi cestinha de 32 competições como profissional, sendo o maior pontuador do campeonato Nacional Masculino de 96 a 2000. Em 2001, bate o recorde de Kareen Abdul-Jabbar, de 46.725 pontos, e torna-se o maior pontuador do mundo. Em 2002, os 45 anos, tenta encerrar a carreira de jogador, mas o tumulto do jogo de despedida o faz adiar a aposentadoria para 2003, depois de uma carreira de 33 anos e 49.743 pontos (que, porém, não tem o reconhecimento oficial da Federação Internacional de Basquete). Em homenagem ao jogador, o Flamengo aposenta também a camisa 14, número de Oscar.


publicado por LUCIANO às 13:14
Quinta-feira, 14 DE Fevereiro DE 2008

Oscarito

Ator brasileiro de origem espanhola. Um dos mais populares cômicos do país. Oscar Lorenzo Jacinto de la Imaculada Concepción Teresa Dias (16/8/1906-4/8/1970) nasce em Málaga, numa família com 400 anos de tradição circense. Antes de completar 1 ano, vem para o Brasil e ainda bebê faz sua primeira aparição em circo, numa adaptação da ópera O Guarani, de Carlos Gomes. Inicialmente segue a carreira da mãe, acrobata, mas em 1932 estréia no teatro de revista, com a peça Calma, Gegê, e nele permanece por mais de 20 anos. A partir da década de 50 monta sua própria companhia teatral para excursionar pelo país, ao lado da mulher, Margot Louro, e da filha, Miriam. Apresenta-se eventualmente em programas de TV e no rádio, além de compor músicas de Carnaval, das quais a mais famosa é Marcha do Gago. Torna-se muito popular pela atuação no cinema, em produções da Atlântida, ao lado de Grande Otelo. Faz mais de 40 filmes, a maioria chanchadas. Entre seus sucessos estão Alô, Alô, Carnaval (1936), Gente Honesta (1944) e Este Mundo É um Pandeiro (1947), em que, travestido de Rita Hayworth, parodia o célebre número Put the Blame on Mame, do filme Gilda. Em 1949 atua em Carnaval de Fogo, em que interpreta Romeu ao lado da Julieta de Grande Otelo, personagens inspirados na peça de Shakespeare. Outros sucessos são Colégio de Brotos (1956) e O Homem do Sputinik (1959). Seus últimos filmes são Crônicas da Cidade Amada (1965) e Jovens Prá-Frente (1968). Depois disso, retira-se da vida artística e recusa vários convites para trabalhos no cinema. Morre no Rio de Janeiro.



tags:
publicado por LUCIANO às 13:11
Quinta-feira, 14 DE Fevereiro DE 2008

Osvaldo Aranha


Político gaúcho. É um dos idealizadores da Revolução de 1930, com grande influência no primeiro governo de Getúlio Vargas.Osvaldo Euclides de Sousa Aranha (15/11/1894 - 27/1/1960) nasce em Alegrete. Inicia-se na política como intendente (equivalente a prefeito) de sua cidade natal e subchefe de polícia de Porto Alegre. Em 1927 elege-se deputado federal. Com a vitória do movimento revolucionário em 1930, negocia com a Junta Militar, no Rio de Janeiro, a entrega do governo a Vargas. É escolhido ministro da Justiça e Negócios Interiores, passa para a pasta da Fazenda em 1931 e é nomeado embaixador em Washington, de 1934 a 1937. Deixa o cargo em protesto contra o Estado Novo, mas se torna ministro das Relações Exteriores, de 1938 a 1944. Chefia a delegação brasileira na primeira Sessão Especial da Assembléia-Geral da ONU, em 1947, e luta pela criação do Estado de Israel. Volta ao Ministério da Fazenda em 1953. No governo Juscelino Kubitschek, retorna à ONU, à frente da delegação brasileira. Morre no Rio de Janeiro, aos 66 anos.


publicado por LUCIANO às 13:09
Quinta-feira, 14 DE Fevereiro DE 2008

Osvaldo Cruz


Cientista, médico e sanitarista paulista. Pioneiro no estudo das moléstias tropicais e da medicina experimental no Brasil, é o fundador do instituto que leva seu nome, no Rio de Janeiro. Osvaldo Gonçalves Cruz (5/8/1872-11/2/1917) nasce em São Luís do Paraitinga. Formado pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, em 1896 vai para Paris e estagia no Instituto Pasteur. Volta ao Brasil em 1899 e organiza o combate ao surto de peste bubônica em Santos (SP) e em outros portos. Como a epidemia é incontrolável sem o uso do soro adequado e a importação é demorada, propõe ao governo fabricá-lo no país. Funda, então, o Instituto Soroterápico Nacional em 1900, no Rio de Janeiro, hoje Instituto Osvaldo Cruz. Como diretor de saúde pública, a partir de 1903 coordena no Rio as campanhas de erradicação da febre amarela, organizando batalhões de "mata-mosquitos". Sua campanha de vacinação obrigatória da varíola enfrenta resistência popular e fica conhecida como Revolta da Vacina. Em 1916 assume a prefeitura de Petrópolis (RJ), onde morre no ano seguinte sem realizar seu ambicioso plano de urbanização da cidade.



publicado por LUCIANO às 13:06
Quinta-feira, 14 DE Fevereiro DE 2008

Oswaldo Goeldi

Artista plástico fluminense. Um dos mais importantes representantes da pintura modernista no Brasil, destaca-se pelo conteúdo social de sua obra. Osvaldo Goeldi (31/10/1895 - 15/2/1961) nasce no Rio de Janeiro. Ainda na infância se muda com a família para Belém do Pará e, aos 6 anos, vai para a Suíça. Adolescente, abandona os estudos na Escola Politécnica de Zurique e inscreve-se na Escola de Artes e Ofícios de Genebra. Em 1917, faz sua primeira exposição, na galeria Wyss, em Berna. Fica amigo do pintor Hermann Kümmerly, com quem começa a produzir xilogravuras, litografias, desenhos e aquarelas. Volta ao Brasil em 1919 e, dois anos depois, expõe suas obras no Rio de Janeiro, sendo mal recebido pela crítica. Para ganhar a vida, passa a trabalhar como ilustrador de revistas como O Malho e Para Todos, além de fazer desenhos para inúmeros livros, como o romance Canaã, de Graça Aranha. Apesar de não se engajar politicamente, sua obra retrata os aspectos mais críticos do Rio: os subúrbios, a morte, a pobreza. É premiado na 1ª Bienal de São Paulo, em 1951, e, no início da década de 60, na 2ª Bienal Interamericana, no México. Morre no Rio de Janeiro.



publicado por LUCIANO às 13:04
Quinta-feira, 14 DE Fevereiro DE 2008

Oswald de Andrade

Poeta, romancista e dramaturgo paulista. Um dos organizadores da Semana de Arte Moderna de 1922 e criador do movimento antropofágico.José Oswald de Sousa Andrade (11/1/1890 - 22/10/1954) nasce em São Paulo, em uma família rica. Estuda na Faculdade de Direito do Largo São Francisco e, em 1912, viaja para a Europa. Em Paris entra em contato com o futurismo e com a boemia estudantil. De volta a São Paulo, faz jornalismo literário. Em 1917 defende a pintora Anita Malfatti de uma crítica devastadora de Monteiro Lobato. Ao lado dela, do escritor Mário de Andrade e de outros intelectuais, organiza a Semana de Arte Moderna de 22. Com Pau-Brasil (1925), junta o nacionalismo às idéias estéticas da Semana de 1922. Em 1926 casa-se com a pintora Tarsila do Amaral. Dois anos depois, radicaliza o movimento nativista e lança seu Manifesto Antropófago, propondo que o Brasil devore a cultura estrangeira e crie uma cultura revolucionária e própria. Nessa época rompe com Mário de Andrade, separa-se de Tarsila do Amaral e casa-se com a escritora e militante política Patrícia Galvão, Pagu. De 1931 a 1945 milita no Partido Comunista Brasileiro (PCB) e, em 1933, lança o romance Serafim Ponte Grande. São dele ainda o livro Memórias Sentimentais de João Miramar (1924) e as peças O Homem e o Cavalo (1934) e O Rei da Vela (1937). Morre em São Paulo.



publicado por LUCIANO às 13:02
Quinta-feira, 14 DE Fevereiro DE 2008

Otto Gottlieb


Cientista brasileiro de origem tcheca. Indicado para o Prêmio Nobel de Química, em 1998, 1999 e 2000, por seus estudos sobre a estrutura química das plantas, o que permite analisar os ecossistemas. Otto Richard Gottlieb (31/8/1920-) nasce em Brno (atual República Tcheca). Em 1936, vai para a Inglaterra, enquanto sua família vem para o Brasil. Chega ao país em 1939 e, aos 21 anos, opta pela nacionalidade brasileira. Forma-se em química industrial pela Universidade do Brasil, instituição que origina a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) em 1945. Trabalha por dez anos na indústria química do pai, que fabrica óleos essenciais da flora brasileira para a indústria de perfumaria, antes de retomar a carreira acadêmica, já com 35 anos. Concorre a uma bolsa de estudos do Conselho Nacional de Pesquisas Científicas (CNPq) e, ao ganhar, inicia uma investigação sobre o isolamento de substâncias químicas de plantas e a determinação de sua estrutura. Mapeia centenas de espécies e estabelece índices para o comportamento delas, o que possibilita a medição da biodiversidade de ecossistemas. Seus estudos também resultam na descoberta de substâncias como as neolignanas, de efeito antiinflamatório. Em 1963, chefia a criação e a instalação do laboratório de fitoquímica da Universidade de Brasília (UnB), transferindo-se para a Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRJ). Em 1967, começa a lecionar na Universidade de São Paulo (USP), onde se aposenta em 1990. Gottlieb apresenta o modelo que levaria a diversas descobertas sobre as neolignanas em um congresso internacional realizado em Hamburgo, na Alemanha, em 1976, e é muito bem recebido pela comunidade científica, que interessa-se com a possibilidade de unir a química à biologia na classificação dos vegetais. Mora no Rio de Janeiro, trabalha no Instituto Osvaldo Cruz e é professor visitante da Universidade Federal Fluminense.


publicado por LUCIANO às 12:59
Quinta-feira, 14 DE Fevereiro DE 2008

Otto Lara Resende

Escritor e jornalista mineiro. Contista e autor de um único romance, notabiliza-se pelo hábito de reescrever seus textos em busca da perfeição. Otto de Oliveira Lara Resende (1º/5/1922-28/12/1992) nasce em São João del Rei. Doente de asma na infância, a família não acredita em sua recuperação. Mas ele sobrevive, forma-se em direito e, por volta de 1940, começa no jornalismo. Muda-se para o Rio de Janeiro e trabalha simultaneamente no Diário de Notícias e em O Globo. Escreve os editoriais dos dois jornais, não raramente defendendo opiniões opostas. No decorrer da carreira trabalha em praticamente todos os jornais do Rio, inclusive na revista Manchete e na TV Globo. Sua prosa caracteriza-se por frases cheias de mordaz ironia. Estréia na ficção em 1952, com o livro de contos O Lado Humano. Em 1957, quando é adido cultural do Brasil em Bruxelas, lança Boca do Inferno, obra festejada pela crítica. Em 1962, já de volta ao país, publica O Retrato na Gaveta e, no ano seguinte, O Braço Direito, seu único romance. Sua última obra é As Pompas do Mundo (1963). Em 1979 é eleito para a Academia Brasileira de Letras (ABL). Morre no Rio de Janeiro.



publicado por LUCIANO às 12:55
Quinta-feira, 14 DE Fevereiro DE 2008

Oscar Wilde


Poeta e dramaturgo irlandês (16/10/1854-30/11/1900). Representante do Movimento Estético inglês, que prega a apreciação do belo e a arte pela arte. Nasce Oscar Fingal O’Flahertie Wills Wilde, em Dublin, filho de protestantes. Em 1874 vai para Oxford e, no ano seguinte, viaja pela Itália para estudar arte. Em 1878 muda-se para Londres. Escreve Vera (1880) e Poemas (1881) e dá conferências nos Estados Unidos e no Canadá antes de se transferir, em 1883, para Paris, onde redige o poema A Esfinge e a peça A Duquesa de Pádua, recusada pelos teatros. De volta a Dublin em 1884, casa-se com Costance Lloyd, rica herdeira, com quem tem dois filhos. Em 1876, em Oxford, conhece Robert Ross, e com ele inicia um relacionamento homossexual. Dirige a revista feminina Woman’s World até 1879. Nessa fase, entre sua intensa produção cultural destaca-se sua obra mais importante, O Retrato de Dorian Gray (1890-1891), publicada na Lippincott’s Magazine. Nesse período mantém um relacionamento com o lorde Alfred "Bosie" Douglas que o leva à prisão por homossexualismo em 1895. Dois anos depois muda-se para a França e lá trabalha sob o pseudônimo de Sebastian Melmoth. Reencontra-se com Bosie e parte para Nápoles, onde lança, sem assinar, A Balada do Cárcere de Reading (1898), considerado seu melhor poema.



publicado por LUCIANO às 04:51
Quinta-feira, 14 DE Fevereiro DE 2008

Otávio Augusto


Imperador romano (63 a.C.-14 d.C.). Caio Otávio, conhecido como César Augusto, é sobrinho-neto de Júlio César. Está na Ilíria (atual Albânia), completando estudos militares, quando é informado do assassinato do tio-avô. Volta a Roma e fica sabendo que ele o escolhera como sucessor. Por causa da oposição de parte do Senado, une-se aos generais Marco Antônio e Lépido e marcha sobre Roma para tomar o poder. Os três derrotam os assassinos de César e formam o II Triunvirato. Em seguida, lutam entre si pelo poder. Lépido morre quando Otávio já havia vencido Marco Antônio. O Senado outorga-lhe em 27 a.C. o título de Augusto, o mesmo conferido aos deuses. O fato marca o fim da República e o começo do Império Romano. Augusto exerce poder absoluto, controlando política, religião, economia, exército e relações exteriores. Pacifica a Gália (atual França), amplia o sistema de estradas que interliga o império, desenvolve um eficiente sistema postal, promove livre comércio entre as províncias, constrói pontes e aquedutos e estende o território romano até os rios Reno, Danúbio e Eufrates. Proclama a paz universal, conhecida como Pax Augusta. Incentiva a cultura junto com o amigo Mecenas – a literatura floresce com Virgílio, Horácio e Ovídio. Casa-se duas vezes, mas não deixa herdeiros do sexo masculino. Quando morre, em Nola, recebe a apoteose, o direito de ter um lugar entre os deuses. É sucedido pelo enteado e filho adotivo Tibério.

publicado por LUCIANO às 04:48
Quinta-feira, 14 DE Fevereiro DE 2008

Otto von Bismarck


Estadista alemão, é o responsável pela unificação alemã. O príncipe Otto Fürst von Bismarck (1º/4/1815-30/7/1898) nasce em Schönhausen, na Prússia, filho do fazendeiro Ferdinand von Bismarck e da burguesa Wilhelmine Mencken. Com 7 anos, deixa o campo para estudar em Berlim. Entra na faculdade de direito em 1832, mas volta para a fazenda quando a mãe morre, em 1839, e lá permanece até 1847. Durante esse período, casa-se com Johanna von Puttkamer, de família aristocrática. Pró-monárquico, defende ideais conservadores de oposição aos liberais, que tinham a monarquia constitucionalista como modelo. Ganha notoriedade quando é escolhido representante da Prússia na Dieta (parlamento) Federal em 1851. Procura articular uma aliança em prol da unificação da Alemanha. Entre 1859 e 1862, é embaixador em São Petersburgo e Paris. Nesse ano, o rei Guilherme I o nomeia primeiro-ministro e concede-lhe poderes ditatoriais. Entre 1864 e 1871, Bismarck promove a unificação da Alemanha por meio de manobras políticas, diplomáticas e, sobretudo, bélicas – as guerras com a Dinamarca (1864), Áustria (1866) e França (1870) asseguram-lhe hegemonia territorial e econômica sobre a Europa. Em 1871, com Guilherme I coroado kaiser (imperador), Bismarck consolida o império. Faz reformas administrativas, cria um banco central e um código de leis civis e comerciais. Entra em conflito com o jovem imperador Guilherme II e deixa o ministério em 1890. Morre oito anos mais tarde, em Friedrichsruh.


publicado por LUCIANO às 04:45
Quinta-feira, 14 DE Fevereiro DE 2008

Pablo Neruda


Poeta chileno (12/7/1904-23/9/1973). Prêmio Nobel de Literatura de 1971, militante comunista, antifascista e anticlerical, é considerado uma das maiores vozes da poesia latino-americana, autor de Vinte Poemas de Amor e uma Canção Desesperada (1924). Neftáli Ricardo Reyes Basoalto nasce em Parral. Demonstrando precoce talento para a poesia, muda o nome para Pablo Neruda ainda na adolescência, em homenagem ao escritor tcheco Jan Neruda. Seu primeiro trabalho, os poemas de Crepusculário - de inspiração romântica, escritos em linguagem tradicional -, é publicado em 1919. Em 1927, já famoso após o lançamento dos Vinte Poemas, ingressa no serviço diplomático chileno. Em 1936 é nomeado para trabalhar na Espanha, onde acompanha de perto a Guerra Civil Espanhola. A guerra e a morte de Federico García Lorca afetam profundamente Neruda, que adere ao comunismo. Em 1945 volta ao Chile e é eleito senador. A partir de 1947 passa a fazer poesia com engajamento político. O ponto mais alto dessa fase é o Canto Geral do Chile (1950). Seu último posto diplomático é o de embaixador chileno em Paris, em 1970. De volta ao Chile, em 1973, morre em Santiago 12 dias após o golpe militar que derrubou o amigo Salvador Allende da Presidência da República.



publicado por LUCIANO às 04:41
Quinta-feira, 14 DE Fevereiro DE 2008

Pablo Picasso


Pintor, escultor, artista gráfico e ceramista espanhol. Considerado um dos maiores artistas do século. Pablo Ruiz Picasso (25/10/1881-8/4/1973) nasce em Málaga, estuda em Barcelona e trabalha em Paris. Desde pequeno tem muito interesse e facilidade para desenhar. Lá começa sua Fase Azul (1901-1904). Com predomínio de tons de azul, o artista retrata a melancolia dos marginalizados pela sociedade. Segue-se a Fase Rosa (1905-1907), com abundância de rosa e vermelho e caracterizada pelo lirismo. Sob influência de Cézanne, desenvolve o cubismo. A obra Les Demoiselles d''Avignon (1907) marca o início do movimento, fundamentado na decomposição da realidade. Em 1937 pinta o mural Guernica, que pertence ao expressionismo e representa o massacre da população da cidade de Guernica durante a Guerra Civil Espanhola (1936-1939). Nos anos 40 pinta inúmeros quadros que lembram os estilos de seus primeiros trabalhos. Dedica-se também à escultura, à gravação e à cerâmica. Nos anos 60 passa a recriar quadros célebres, como O Almoço Sobre a Relva (1961), de Manet, ou As Meninas, de Velázquez. Aos 87 anos produz em sete meses uma série de 347 gravuras com temas da juventude: o circo, as touradas, o teatro, as situações eróticas. Morre em Mougins, perto de Cannes.



publicado por LUCIANO às 04:37
Quinta-feira, 14 DE Fevereiro DE 2008

Padre Antônio Vieira


Jesuíta, orador religioso e escritor português. Um dos principais representantes da prosa barroca do século XVII.Antônio Vieira (6/2/1608 - 18/7/1697) nasce em Lisboa e muda-se para o Brasil ainda criança. Ingressa em 1623 na Companhia de Jesus em Salvador e é ordenado padre em 1635. Inicia sua pregação combatendo em sermões a invasão holandesa do Nordeste brasileiro, luta que o leva a produzir o célebre Sermão pelo Bom Sucesso das Armas de Portugal contra as de Holanda. No Brasil, dedica-se à catequese e à defesa dos escravos e dos índios, a favor dos quais também escreve importantes sermões como Dominga da Quaresma. Volta a Lisboa após o final do domínio espanhol sobre Portugal e é designado, pelo rei dom João IV, para missões diplomáticas na Holanda e na França. A seguir, adere ao sebastianismo – crença na ressurreição de dom Sebastião e no restabelecimento do Império português. Retorna ao Brasil em 1653. Acusado de heresia pela Inquisição, é levado para Portugal, encarcerado e condenado pela defesa dos índios e pelas duras críticas aos colonizadores. A pena é revogada dois anos depois, quando vai para Roma. Regressa ao Brasil em 1681, onde se entrega ao trabalho de finalizar sermões inacabados e escrever novos. Em sua vasta produção, destaca-se também o Sermão da Sexagésima, em que reflete sobre o conflito entre jesuítas e colonos em torno dos índios e ataca os dominicanos. Morre em Salvador.



publicado por LUCIANO às 04:33
Quinta-feira, 14 DE Fevereiro DE 2008

Padre Cícero


Líder religioso e político cearense. Uma das personalidades religiosas mais veneradas do país, seu túmulo é visitado por milhares de fiéis todos os anos.Cícero Romão Batista (23/3/1844 - 20/7/1934) nasce na cidade do Crato. Ordena-se sacerdote em 1870 e muda-se mais tarde para o arraial de Juazeiro do Norte. Já ganha fama como padre milagreiro a partir de 1886, quando surge a lenda de que uma hóstia por ele consagrada sangrara na boca de uma fiel. Em 1892 passa a sofrer pressões e a ser cerceado pelas autoridades católicas. É chamado pelo Santo Ofício, e, em 1897, as autoridades do Vaticano o proíbem de exercer o sacerdócio, sob a acusação de mistificação e heresia. Regressa ao Brasil, mas viaja novamente a Roma no ano seguinte e consegue ser absolvido pelo papa Leão XIII, porém continua proibido de oficiar missas. De volta a Juazeiro do Norte em 1898, passa a abençoar as multidões de fiéis que o procuram e entra para a política. Torna-se prefeito da cidade nos 15 anos seguintes. Elege-se vice-presidente do estado e, posteriormente, deputado federal, mas decide não assumir os cargos. Perde parte do prestígio ao unir-se a jagunços para depor o governador do Ceará, entre 1913 e 1914. Mesmo assim, a população local continua a considerá-lo santo. As romarias ao túmulo e à estátua do "Padim Ciço", como passa a ser chamado em Juazeiro do Norte, onde morre, atraem até hoje multidões de todo o país, especialmente do Nordeste.


publicado por LUCIANO às 04:30
Quinta-feira, 14 DE Fevereiro DE 2008

Pancho Villa

Militar revolucionário mexicano (5/6/1878-20/6/1923). Doroteo Arango nasce em Durango e vive até os 16 anos como trabalhador rural. Com essa idade, é acusado de matar um fazendeiro que atacara sua irmã e alista-se no Exército para fugir da justiça. Em 1910 junta-se a Francisco Madero, revolucionário liberal que combate a ditadura de Porfirio Díaz, então presidente do país. No mesmo ano, Madero candidata-se à sucessão presidencial, mas é preso e derrotado em eleições fraudulentas. A insurreição de Madero dá início à Revolução Mexicana, apoiada por Villa, no norte do país, e Emiliano Zapata, no sul. Os revoltosos vencem Díaz, e Madero é eleito presidente do México. Em 1912, Victoriano Huerta, general-comandante das Forças Armadas, condena Villa à morte por insubordinação. Ajudado por Madero, Villa refugia-se nos Estados Unidos (EUA). Em 1913, Huerta instala-se no poder como ditador e Madero é assassinado. Villa volta ao México e junta-se às forças do general Venustiano Carranza, rico proprietário de terras que se opõe ao novo ditador. Durante a guerra civil que se instala até 1914, Villa comanda a cavalaria, com 40 mil homens, que tem papel fundamental na vitória sobre Huerta. Carranza assume o poder no mesmo ano, mas se desentende com Villa, que volta à luta e domina o norte do país. Quando Carranza é deposto, em 1920, pelo general Álvaro Obregón, Villa passa a morar no interior, mas morre logo depois, numa emboscada.



publicado por LUCIANO às 04:27
Quinta-feira, 14 DE Fevereiro DE 2008

Papa Gregório XIII

Papa de origem italiana (7/6/1502-10/4/1585). Responsável pela promulgação do calendário gregoriano e pela criação dos seminários para a formação de padres católicos, apostólicos, romanos durante seu papado (1572-1585). Ugo Boncompagni nasce em Romagna, região de Bolonha. Estuda direito na Universidade de Bolonha. Por seu conhecimento de leis canônicas, é enviado pelo papa Pio IV, em 1561, para participar do Concílio de Trento até 1563. Dois anos mais tarde é nomeado cardeal na Espanha. É eleito papa em 14 de maio de 1572 como sucessor de Pio V. Na chefia da Igreja, dá impulso à Contra-Reforma, colocando em prática medidas decretadas no concílio. Forma comitês de cardeais para investigar abusos no meio eclesiástico e para criar o Index Librorum Prohibitorum (Index dos Livros Proibidos). Monta o sistema de seminários e a Universidade Gregoriana e delega o comando do ensino da época aos jesuítas, com o objetivo de formar missionários para trabalhar nos países protestantes. Gregório XIII passa para a história como pontífice criticado por estimular os irlandeses contra as ações anticatólicas da rainha Elizabeth I, da Inglaterra, e por celebrar a Noite de São Bartolomeu, evento marcado pela morte de centenas de protestantes franceses, ao som do Te Deum (hino de glória a Deus). Morre em Roma.



publicado por LUCIANO às 04:24

pesquisar

 

Fevereiro 2008

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9

comentários recentes

  • quando cipriano sai da cadeia pq ele decide ir par...
  • Acabei de ler "As Regras do Tagame":http://numadel...
  • Boa iniciativa, a de publicar biografias relevante...
  • O Barão de Cotegipe é um grande pers...
  • este é o escultor victor brecheret, não é aldo bon...
  • Para saberem mais sobre Ledoux sigam este link:htt...
  • Caro amigo, esta "biografia" do sr.Amador Aguiar e...
  • CIRO, O GRANDE!!!!!!!!!!!!WHITE PRIDE!!!!!!!!!!!!w...
  • Muito interessante!Tenho um texto muito parecido n...
  • your blog is really good! http://sot77.blogspot.co...

Posts mais comentados

arquivos

Feedjit

Visitantes

blogs SAPO


Universidade de Aveiro