Marquês de Paraná


Advogado mineiro. Ministro da Justiça e da Conciliação durante o governo de dom Pedro II, assina o Tratado de Montevidéu, que fixa a fronteira entre Brasil e Uruguai. Honório Hermeto Carneiro Leão (11/1/1801-3/9/1856) nasce no Arraial de Jacuí, em uma família de poucas posses. Com a ajuda de parentes estuda em Coimbra e forma-se em direito em 1825. No mesmo ano retorna ao Brasil e é nomeado juiz em São Sebastião (SP) e ouvidor no Rio de Janeiro. Aos 25 anos casa-se com Maria Henriqueta, filha de um parente rico. No final da década de 20 é nomeado desembargador no Rio de Janeiro. Ingressa na vida pública como deputado por Minas Gerais. Em 1830 filia-se ao grupo de liberais moderados, mas ao obter sua primeira vitória parlamentar - impedindo que a Câmara seja transformada em Assembléia Nacional - rompe com a facção. Escolhido para o cargo de ministro da Justiça, articula a fundação do Partido Conservador em 1837. Mais tarde torna-se presidente da província do Rio de Janeiro e, depois, senador por Minas Gerais. Em 1840 opõe-se à antecipação da maioridade de dom Pedro II. Em 1843 ocupa o Ministério da Justiça, deixando-o um ano depois, quando passa para a oposição. Em conseqüência da Revolta Praieira (1848) é chamado pelo imperador para presidir a província de Pernambuco, com a missão de pacificá-la. Em 1852 contribui para a queda do ditador argentino Juan Manuel Rosas, recebe o título de visconde de Paraná e assina o Tratado de Montevidéu. No ano seguinte organiza o Ministério da Conciliação a fim de harmonizar liberais e conservadores. Torna-se marquês em 1854, dois anos antes de morrer.



publicado por LUCIANO às 16:33