Roberto Campos

Economista, diplomata e político mato-grossense. Principal representante do capitalismo liberal, é responsável pela fundação do Sistema Financeiro da Habitação (SFH). Roberto de Oliveira Campos (17/4/1917-9/10/2001) nasce em Cuiabá. Estuda em seminários nas cidades mineiras de Guaxupé e Belo Horizonte, mas não se ordena sacerdote. Em 1938, ingressa na carreira diplomática e é nomeado para a Divisão Comercial do Ministério das Relações Exteriores. Forma-se em economia na mesma época e, em 1944, participa da delegação brasileira presente à Conferência de Bretton Woods, nos Estados Unidos, na qual são instituídos o Banco Mundial e outros organismos de cooperação financeira internacional do período pós-guerra. Atua no BNDE (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico) a partir de 1952 como diretor econômico, superintendente e, finalmente, presidente em 1958 e 1959. Deixa o banco e torna-se embaixador nos EUA de 1961 a 1964. Em abril de 1964, torna-se ministro extraordinário do Planejamento do governo Castello Branco e elabora o Plano de Ação Econômica do Governo - PAEG, que define a criação do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), Sistema Financeiro da Habitação (SFH), o Banco Central do Brasil e o Conselho Monetário Nacional. Deixa o ministério em 1967. Após passagens pela iniciativa privada, torna-se embaixador em Londres de 1975 a 1982. Neste último ano, elege-se senador por Mato Grosso. É eleito deputado federal pelo Rio de Janeiro em 1990 e conquista um segundo mandato em 1994. É autor de diversos livros, entre os quais Economia, Planejamento e Nacionalismo (1963), A Moeda, O Governo e o Tempo (1964), Ensaios contra a Maré (1969), A Nova Economia Brasileira (1974) e o livro de memórias Lanterna de Popa (1994). Em agosto de 2001, é internado em estado grave com forte pneumonia no Rio de Janeiro. Membro da Academia Brasileira de Letras e um dos maiores representantes brasileiros do liberalismo econômico, morre de infarto enquanto dormia, em sua residência, no Rio de Janeiro.



publicado por LUCIANO às 10:49