Marquês de Olinda

Advogado pernambucano. É um dos integrantes da II Regência Una e, por diversas vezes, ministro. Pedro de Araújo Lima (22/12/1793-7/6/1870) nasce em Sirinhaém. Estuda na Universidade de Coimbra e doutora-se em direito canônico em 1819. Como deputado, representa Pernambuco nas Cortes de Lisboa e na Assembléia Constituinte brasileira, em 1821. Viaja para a Europa e ao retornar elege-se novamente deputado pela Assembléia Nacional. Em 1827 é nomeado ministro, função que voltaria a ocupar em 1832, sob a Regência Trina Permanente. Cinco anos mais tarde, depois de conduzido ao Senado, substitui interinamente o regente Feijó. Em 1838 é eleito para ocupar o cargo, permanecendo na regência até a maioridade de dom Pedro II. Durante esse período defende o princípio da autoridade e da ordem constitucional. É um dos organizadores dos regressistas, que mais tarde formariam o Partido Conservador, legenda que chefiaria junto com Bernardo de Vasconcelos. Cria a Lei Interpretativa de 1840, que restringe a autonomia dos municípios e revoga as leis provinciais. Em 1841 recebe o título de visconde de Olinda e em 1848 torna-se presidente do Conselho de Ministros, lutando contra a Revolta Praieira em Pernambuco. Deixa o cargo em 1849, por causa de pressões de políticos que pedem a intervenção armada brasileira na região do rio da Prata. Em 1857 volta ao cargo, dessa vez como representante graduado dos progressistas e com postura menos conservadora. Organiza seu último gabinete em 1865, o Ministério das Águias, responsável pelo fim da Guerra do Paraguai. Morre no Rio de Janeiro.


publicado por LUCIANO às 16:36