ANTÔNIO CARLOS GOMES


Compositor, instrumentista e regente paulista. O mais importante operista brasileiro. Antônio Carlos Gomes (11/7/1836-16/9/1896) nasce em Campinas. Aprende com o pai, o músico Manoel José Gomes, a tocar clarineta e violino e, aos 11 anos, começa a estudar piano. Durante a adolescência apresenta-se com alguns dos 25 irmãos na banda familiar montada pelo pai, para animar bailes. Aos 18 anos escreve uma missa para uma igreja da cidade. Continua os estudos de violino em São Paulo e obtém sucesso com o Hino Acadêmico, em 1859, e a modinha Quem Sabe?, em 1860. No mesmo ano muda-se para o Rio de Janeiro e matricula-se no Conservatório de Música, no qual encena suas primeiras óperas: A Noite do Castelo (1861) e Joana de Flandres (1863). Esta lhe vale uma bolsa de estudos do imperador dom Pedro II para estudar em Milão, na Itália, em 1863, onde se diploma maestro três anos mais tarde. Ganha projeção internacional ao apresentar no Teatro Scala de Milão a ópera O Guarani (1870), baseada no romance de José de Alencar. É condecorado por dom Pedro II com a Ordem da Rosa, a comenda máxima do Império. No ano seguinte casa-se com a italiana Adelina Peri. Ainda na Itália, escreve, entre outras, as óperas Fosca (1873) e O Escravo (1888), suas obras-primas. Lançada no Teatro Scala de Milão, a ópera Fosca é mal recebida pelo público e pela crítica, embora mais tarde seja considerada a sua obra mais importante. Retorna ao Brasil em 1880 na Excursão Lírica Tomás Passini, que viaja em turnê pelo país e tem recepção triunfal. Em 1889 estréia a ópera Lo Schiavo no Teatro Lírico, no Rio de Janeiro, patrocinada pela princesa Isabel, a quem dedica sua composição. Recebe convite para dirigir a Escola de Música de Veneza e o Conservatório do Pará. Doente, prefere voltar ao Brasil. Morre em Belém no ano seguinte.



publicado por LUCIANO às 06:01