Plínio Marcos

Dramaturgo paulista. Sua obra aborda a marginalidade, a miséria e as minorias, reproduzindo uma linguagem crua, pontuada por palavrões. Plínio Marcos de Barros (29/9/1935-19/11/1999) nasce em Santos e cedo abandona a escola, segundo ele por ser forçado a escrever com a mão direita sendo canhoto. Exerce diversas profissões: jogador de futebol, palhaço de circo, ator de teatro e televisão e jornalista. Muda-se para São Paulo em 1960 e dois anos depois conhece a atriz Walderez de Barros, com quem se casa e tem três filhos. Em 1966, a peça Dois Perdidos numa Noite Suja torna-se seu primeiro grande sucesso. No ano seguinte, Navalha na Carne é encenada com a atriz Tônia Carrero no papel da prostituta Neusa Sueli. Em 1978, durante o regime militar, a censura manda recolher seu livro Abajur Lilás, e, em 1985, a peça Madame Blavatsky ganha os prêmios Molière e Mambembe. Durante parte das décadas de 80 e 90 vive de vender seus livros pessoalmente na porta de teatros e bares e da leitura de tarô. Passa a morar com a jornalista Vera Artaxo em 1995 e sua obra é revalorizada no final dos anos 90. Morre de falência generalizada dos órgãos, em 1999, após dois derrames cerebrais.



publicado por LUCIANO às 08:29