Michelangelo Antonioni


Cineasta italiano (29/9/1912-). Um dos principais nomes da cinematografia contemporânea, influencia com sua obra toda uma geração de realizadores. Nasce em Ferrara, forma-se em economia e comércio, mas prefere trabalhar no jornalismo, como crítico de cinema Torna-se depois assistente de direção do francês Marcel Carné e roteirista do diretor Federico Fellini. A solidão, os problemas existenciais da classe média e o estilo de vida da burguesia são os temas centrais de seus filmes, que aprofundam a temática introspectiva do neo-realismo italiano inaugurado por Roberto Rossellini, Vittorio de Sica e Luchino Visconti. A trilogia A Aventura (1959), A Noite (1960) e O Eclipse (1961), sobre a incomunicabilidade do ser humano, obtém aplausos da crítica, mas pouco sucesso comercial. O reconhecimento do público vem com Blow-Up – Depois Daquele Beijo (1967), filmado em Londres. Dirige, entre outros, Zabriskie Point (1969), retratando a sociedade de consumo norte-americana, O Passageiro – Profissão: Repórter (1975) e Identificação de uma Mulher (1982). Afasta-se do cinema após sofrer um derrame cerebral em 1986. Em 1995, ganha um Oscar especial por sua carreira cinematográfica. A estatueta é roubada de sua casa no Natal de 1996. No início de 1995, surpreende com o lançamento de mais um filme, Além das Nuvens, rodado em colaboração com o cineasta alemão Wim Wenders. Em 2002, é homenageado no Festival de Veneza com um prêmio especial e uma retrospectiva de seu trabalho, e filma Eros, longa composto por três segmentos, um dirigido por ele e os outros por Wong Kar-wai e Steven Soderbergh, lançado em 2004 no Festival de Veneza. No mesmo ano exibe o curta Lo Sguardo de Michelangelo, no Festival de Cannes.



publicado por LUCIANO às 12:03