CÉSAR LATTES


Físico paranaense. Descobridor do méson pesado, a quinta partícula elementar de matéria, que mantém unidos os prótons e nêutrons do núcleo do átomo e explica sua estabilidade. Cesare Mansueto Giulio Lattes (11/7/1924-) nasce em Curitiba, onde passa a maior parte da infância. Em 1943, forma-se pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de São Paulo. No ano seguinte viaja para a Inglaterra acompanhado de seu professor, o físico italiano Giuseppe Occhialini. Em 1947, vai para os Andes bolivianos, onde realiza experiências em que expõe chapas fotográficas à ação dos raios cósmicos. Ao examinar o material juntamente com Occhialini e o físico inglês Cecil Power, consegue comprovar a existência do méson pesado, também chamado méson pi. No ano seguinte, na Universidade de Berkeley (EUA), obtém a produção artificial da partícula. As descobertas provocam grande repercussão nos meios científicos, e Lattes é convidado pelo secretário da Academia Sueca a se candidatar ao Prêmio Nobel de Física. Concorre em 1951 e perde por apenas dois votos. Em 1969, dirigindo uma equipe de físicos brasileiros e japoneses, determina a massa das chamadas bolas de fogo, fenômeno decorrente do choque de partículas subatômicas com energia muito alta. As bolas de fogo são consideradas a sexta partícula da matéria. Recebe, em 1978, da Organização dos Estados Americanos (OEA), o Prêmio Bernardo Houssay pela sua contribuição ao progresso da física na América Latina. Com os 30 mil dólares recebidos, financia duas bolsas de estudo, uma em engenharia de alimentos, outra em engenharia agrícola. Leciona na Universidade de São Paulo (USP) e na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Em janeiro de 1994, aposenta-se da Universidade de Campinas (Unicamp), onde ministrava um curso sobre a estrutura da matéria e das radiações. Ícone para a Física brasileira, suas experiências ainda exercem forte influência na física contemporânea.




publicado por LUCIANO às 19:25