Roberto Marinho

Empresário e jornalista fluminense. Proprietário do maior complexo de comunicação do país, as Organizações Globo. Roberto Marinho (3/12/1904-6/8/2003) nasce na cidade do Rio de Janeiro. Seu pai, jornalista Irineu Marinho, morre em 1925, um mês depois de fundar o jornal O Globo, em que Roberto atuava como repórter aos 21 anos. Recusa-se a comandar o jornal por sentir-se inexperiente, e nele passa por vários cargos até assumir a direção, em 1931. Em 1965, entra para o campo da televisão, além de organizar o sistema Globo de Rádio e a Rio Gráfica Editora, que mais tarde torna-se a Editora Globo. Em 1977, cria a Fundação Roberto Marinho, com programas de cultura, educação, esporte e preservação do patrimônio histórico nacional. Sob sua direção, a Rede Globo transforma-se na maior cadeia de TV do país e em uma das maiores do mundo, exportando programas para mais de 50 países. O grupo inclui também a Globo Cabo, a rede CBN de rádio e a Editora Globo. Dono de um grande acervo de artes plásticas, apaixonado por caça submarina e hipismo, é fundador também da Sociedade Hípica Brasileira. Em 1993, é eleito para a Academia Brasileira de Letras (ABL). Casado pela terceira vez, passa pouco a pouco o controle das Organizações Globo aos quatro filhos, estando, porém, sempre presente. É dono de um patrimônio pessoal avaliado em mais de US$ 1 bilhão e de um império empresarial que chega a um faturamento anual de US$ 5,7 bilhões, recebendo cerca de 60% do investimento publicitário do País. Em 2002, agrava-se a crise financeira da holding das organizações Globo, a Globopar, que fecha o primeiro semestre com um prejuízo de quase 2 bilhões de reais. Vítima de um edema pulmonar, o empresário Roberto Marinho morre na noite do dia 6 de agosto de 2003, no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro. Ele deixa viúva Lily de Carvalho e três filhos - Roberto Irineu, José Roberto e João Roberto –, além de netos e bisnetos.



publicado por LUCIANO às 04:55