FILINTO MÜLLER

Político e militar mato-grossense. Uma das mais polêmicas e controvertidas figuras da política nacional, acusado de ser torturador de presos políticos durante o Estado Novo. Filinto Strubling Müller (11/6/1900-11/7/1973) nasce em Cuiabá e cursa a Escola Militar do Realengo, no Rio de Janeiro. Participa como militar dos movimentos tenentistas e da Revolução de 1930. Entre 1937 e 1942 é chefe de polícia do Distrito Federal (na época o Rio de Janeiro). Nesse cargo, comanda violenta repressão aos opositores do Estado Novo, especialmente os comunistas. É citado como torturador nos livros Memórias do Cárcere, de Graciliano Ramos, e Falta Alguém em Nuremberg, de David Nasser. Fica conhecido como a autoridade policial responsável no processo de expulsão de Olga Benário, então mulher de Luís Carlos Prestes, para a Alemanha, onde é morta pelo regime nazista. Com a redemocratização de 1945, elege-se senador por seu estado em várias legislaturas. Depois do golpe militar de 1964, é um dos fundadores e principais organizadores da Aliança Renovadora Nacional (Arena), partido de sustentação do regime. É presidente da Arena e do Senado da República quando morre, em Paris, num desastre de avião.



publicado por LUCIANO às 20:29