Walter Hugo Khouri

Cineasta paulista (21/10/1929-27/06/2003). Nasce na cidade de São Paulo e, aos 6 anos, perde o pai. É criado pelo avô, um arquiteto descendente de nobres que costuma levá-lo ao cinema e presenteá-lo com livros. Começa a estudar filosofia na Universidade de São Paulo (USP), mas desiste do curso para dedicar-se à arte. Na década de 50, produz e dirige teleteatros para a TV Record e trabalha como crítico e jornalista. Começa no cinema em 1951, na pré-produção de O Cangaceiro, de Lima Barreto, rodado pelos estúdios Vera Cruz. Estréia como diretor em 1952, com O Gigante de Pedra. Em 1958, lança Estranho Encontro, seu primeiro sucesso. Cria a produtora Kâmera Filmes em 1962, mas continua na Vera Cruz, onde produz O Anjo Mau, do diretor Roberto Santos, em 1964. Influenciados por Ingmar Bergman, seus filmes abordam os problemas existenciais da classe média alta, em geral por meio do personagem Marcelo, alter ego do diretor, presente em diversas obras. Seus trabalhos mais importantes são Noite Vazia (1964), Corpo Ardente (1965), O Anjo da Noite (1974), O Prisioneiro do Sexo (1979), Amor Estranho Amor (1982) e Eu (1986). Em 1984, faz ficção científica em Amor Voraz, no qual conta a história do amor de uma jovem sensitiva por um extraterrestre, que aporta, vindo das águas, em sua mansão junto a uma grande represa. Na década de 90, realiza apenas três filmes: Forever – Juntos para Sempre (1991), As Feras (1995) e Paixão Perdida (1998). Em 2001, é homenageado com o lançamento do livro O Equilíbrio das Estrelas, de Renato Pucci Jr, um estudo sobre sua obra.Autor de 27 filmes, Khouri morre em 2003, vítima de um infarto.

publicado por LUCIANO às 14:00