FRANCISCO ADOLFO VARNHAGEN

Historiador e diplomata paulista. Reconhecido por seus estudos sobre o Brasil, é responsável pela descoberta do jazigo de Pedro Álvares Cabral. Francisco Adolfo de Varnhagen (17/2/1816-29/6/1878) nasce em São João de Ipanema, município de Sorocaba, filho de um engenheiro militar alemão que vem ao Brasil estudar as minas de ferro da região, a pedido do governo de Lisboa. Estuda em Portugal, no Real Colégio Militar da Luz, de Lisboa, e inicia-se na carreira militar como voluntário das tropas de dom Pedro I, que lutam contra dom Miguel. Escreve seu primeiro trabalho de história, Notícia do Brasil, entre 1835 e 1838. Neste último ano encontra o túmulo de Pedro Álvares Cabral no Convento da Graça, em Santarém, Portugal. Com o estudo, credencia-se como sócio-correspondente da Academia de Ciências de Lisboa. Forma-se engenheiro militar em 1839, na Real Academia de Fortificação, e volta ao Brasil no ano seguinte. Passa a trabalhar no Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro em 1841. Em 1844 obtém a nacionalidade brasileira (apesar de nascido no país, ele tem de lutar por ela por causa de ascendência paterna alemã). Graças a ela, consegue ser admitido na carreira diplomática. Depois de servir em Lisboa e em Madri, vai representar o país no Paraguai, em 1858, já como historiador reconhecido pela autoria de História Geral do Brasil (1854-1857), sua obra mais importante, de dois volumes. Como diplomata, trabalha ainda em Portugal, Espanha, Paraguai, Venezuela, Nova Granada (atual Colômbia), Equador, Chile, Peru e Holanda (Países Baixos). Aproveita o contato com o exterior para coletar documentos sobre o Brasil em bibliotecas e arquivos. Entre os estudos históricos de sua autoria se destacam a História das Lutas contra os Holandeses no Brasil desde 1624 e 1654, de 1871, e a História da Independência do Brasil, que só vem a público em 1916. Encerra a carreira diplomática como representante do país em Viena, na Áustria, onde morre. Casado com a chilena Carmen Ovalle desde 1864, é enterrado em Santiago, no Chile.



publicado por LUCIANO às 19:47