EUGÈNE IONESCO


Dramaturgo francês de origem romena (26/11/1912-28/3/1994). É considerado um dos maiores teatrólogos do século e um dos criadores do teatro do absurdo. Focaliza o caráter incompreensível das relações humanas, o medo da morte, o aspecto tragicômico da existência e a pressão das convenções sociais. Com frases absurdas, suas peças falam da impossibilidade de comunicação entre os seres humanos. Nascido em Slatina, na Romênia, passa a infância na França, regressando a seu país em 1925. Gradua-se em francês pela Universidade de Bucareste e volta em seguida para Paris, onde se fixa. Inicia-se como dramaturgo em 1949, com a peça A Cantora Careca, de humor grotesco e clima obsessivo. Escreve A Lição (1951), As Cadeiras (1952) e A Vítima do Dever (1953). O Rinoceronte (1959), sua peça mais conhecida, é adaptada para o cinema. Desde 1970 é membro da Academia Francesa de Letras. Suas obras em prosa, como O Solitário (1973) e Antídotos (1975), também tratam da impossibilidade de comunicação entre as pessoas. Morre em Paris.



publicado por LUCIANO às 13:47