FERREIRA GULLAR

Poeta e crítico de arte maranhense. Precursor do concretismo e um dos mais consagrados autores da poesia brasileira. José Ribamar Ferreira (10/9/1930-) nasce na cidade de São Luís e, aos 20 anos, muda-se para o Rio de Janeiro, depois de ser premiado no concurso de poesia do Jornal de Letras. Em 1954, publica A Luta Corporal, livro considerado precursor do concretismo, movimento do qual se desliga algum tempo depois para liderar o grupo neoconcreto carioca. No início da década de 60 adere à poesia politicamente engajada do movimento Violão de Rua, do Centro Popular de Cultura (CPC) da União Nacional dos Estudantes (UNE). É presidente do CPC na época do golpe militar de 1964 e, em razão da perseguição política, exila-se na Argentina em 1971. De volta ao Brasil lança Dentro da Noite Veloz (1975) e Poema Sujo (1976). Em 1994, reedita A Luta Corporal, livro reconhecido como um marco na história da literatura brasileira. Entre suas obras destacam-se ainda Na Vertigem do Dia (1980), Barulhos (1987), Etapas da Arte Contemporânea (1985) e Indagações de Hoje (1989). Em 1998, publica "Rabo de foguete - Os anos de exílio", livro de memórias, e recebe homenagens no 29º Festival Internacional de Poesia de Roterdã, na Holanda. No ano seguinte, lança o livro "Muitas vozes" e ganha o Prêmio Jabuti na categoria poesia. Obtém também o prêmio Alphonsus de Guimarães, da Biblioteca Nacional. Em 2000, acontece a exposição "Ferreira Gullar 70 anos" no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro em comemoração ao aniversário do poeta. A editora José Olympio lança a nona edição de "Toda poesia", reunião atualizada dos poemas de Gullar. Ainda em 2000, recebe o prêmio Multicultural 2000, do jornal "O Estado de São Paulo" e lança "Um gato chamado Gatinho", 17 poemas sobre seu felino escritos para crianças. Em 2001, apresenta programa sobre a terceira idade, Gerações, na STV (Net, Sky e Directv), ao lado da jornalista Clara Ramos. Em 2002, lança a adaptação de Don Quixote de la Mancha para o público infanto-juvenil. Em 2003 lança Relâmpagos, uma seleção de seus ensaios como crítico de arte.





publicado por LUCIANO às 20:41